Este site é mantido por Rosane Agustoni

MAGIA

A UMBANDA

AMOR

O PENSAMENTO

O ISLAMISMO

MEDIUNIDADE DE CURA

MATERIALIZAÇÃO

CIRCULAÇÃO DE ENERGIA

HINDUISMO

INTUIÇÃO

O COMANDO MENTAL

HOMOSSEXUALIDADE

AUTO-APERFEIÇOAMENTO

ATENDIMENTO FRATERNO

A GLÂNDULA PINEAL

Espaço Gráfico- Serigrafia, Off-set e Web-design

A VISÃO ESPÍRITA DA HOMOSSEXUALIDADE

DÉBORA S.

ESCOLA DE MÉDIUNS - NIVEL IV

DATA: 06/08/2003

    Por definição a homossexualidade é a condição da criatura que tem preferência ( exclusiva ou predominante ) pela comunhão, tanto afetiva como sexual, com uma outra criatura do mesmo sexo.

    A homossexualidade é um tema bastante polêmico na atualidade, alvo de grandes preocupações e questionamentos que não encontra explicações suficientes nas bases materialistas através dos estudos psicológicos e genéticos que não conseguem fundamentar suas causas. E é a Doutrina Espírita que vai nos dar o embasamento para a melhor compreensão a cerca do tema, através da reencarnação e do processo evolutivo do ser.

    A questão 202 do Livro dos Espíritos coloca: " Quando errante o que prefere o espírito: encarnar no corpo de um homem ou de uma mulher? Isso pouco lhe importa. O que o guia na escolha são as provas por que haja de passar. " Essa resposta nos faz compreender que enquanto seres no caminho evolutivo necessitamos, na imensa fileira de encarnações pelas quais temos que passar, adquirir conhecimentos tanto na condição feminina como na masculina, sedimentando o fenômeno da bipolaridade, ou bissexualidade psicológica em todas as criaturas. André Luiz nos esclarece: " Na essência, o sexo é a soma das qualidades passivas ou positivas do campo mental do ser. É natural que o espírito acentuadamente feminino se demore séculos e séculos nas linhas evolutivas da mulher e que o espírito marcadamente masculino se detenha por longo tempo nas experiências do homem. "_Podemos compreender que a condição do sexo é mental e que a morfologia do corpo não se superpõe aos poderes da mente, mas se sujeita aos seus comandos. Para alcançar a iluminação o ser humano precisa equilibrar-se nestes dois conteúdos, denominados por Joana de Ângelis, estudiosa da psicologia profunda na espiritualidade, como anima ( lado feminino que o homem tem ) e animus ( lado masculino que a mulher tem ), e o que vai determinar a velocidade da evolução de cada ser é o livre arbítrio. Ela também nos apresenta um grande exemplo desta perfeita harmonia com os dois conteúdos, Jesus Cristo, o Ser mais perfeito de que temos conhecimento, Ser ideal que veio a nós como um modelo para o aprendizado de toda a Humanidade. Ele é um Ser integral que gosa de uma androgenia psicológica e nos demonstra isso através do seu exemplo, e da sua compreensão tanto no lado feminino como no masculino. Ressaltamos a sua relação e o respeito para com com as mulheres que sempre foram aceitas e tiveram papel atuante em seu grupo, fato que não combinava com a mentalidade da época.

    Na espiritualidade cada ser é definido de acordo com as qualidades masculinas ou femininas que forem predominantes em seu campo mental. Através dos milênios o ser espiritual passa por experiências nos dois sexos, alternando da masculinidade para a feminilidade. Face a isso uma individualidade ao envergar o casulo físico masculino, por exemplo, fatalmente demonstrará os traços da feminilidade em que estagiou por muitas encarnações, assim como estando num corpo feminino também poderá trazer características masculinas. Sobre isso André Luiz coloca: " Na crosta planetária, os temas sexuais são levados em conta na base dos sinais físicos que diferenciam o homem da mulher e vice-versa. No entanto, isso não define a realidade integral, porquanto, regendo esses marcos, permanece um espírito imortal, com idade às vezes multimilenária, encerrando consigo a soma de experiências complexas, o que obriga a própria ciência terrena a proclamar presentemente que a masculinidade e feminilidade totais são inexistentes na personalidade humana do ponto de vista psicológico. Homens e mulheres, em espírito, apresentam certa porcentagem mais ou menos elevada de características viris e femininas em cada indivíduo, o que não assegura possibilidade de comportamento íntimo normal para todos, segundo a conceituação de normalidade que a maioria dos homens estabelece para o meio social ."

    A Doutrina Espírita nos dá embasamento para identificar e compreender algumas causas da existência do comportamento homossexual em nossa sociedade. Criaturas que, em outras existências, abusaram das faculdades genésicas tanto feminina como masculina, prejudicando a vida de outros indivíduos com a destruição de uniões e lares, motivados pelo egoísmo, muitas vezes são induzidos a reencarnar na polaridade inversa, em corpo físico oposto a sua estrutura psicológica, para aprender, em regime de prisão, a reajustar seus próprios sentimentos.

    O fator sócio-educacional também pode levar a prática homossexual. Indivíduos que tiveram repetidas vivências em culturas e comunidades onde o homossexualismo era aceito e até mesmo estimulado, como na Grécia e Roma antigas, sociedades e grupamentos religiosos que segregaravam seus membros, certas tribos indígenas e etc., podem trazer essa condição viciosa para a atual encarnação. Também na atual encarnação encontramos casos de pais que contrariados em seus desejos quanto ao sexo do filho, incoscientemente, acabam por estimular a condição inversa, ou de filhos que, ao perceber esse mesmo desejo incosciente dos pais, buscam adaptar-se patologicamente a essa situação durante o processo de gestação ( podemos explicar assim casos em que a medicina constata até mesmo alterações hormonais ). Outra estímulo dessa ordem é a desenfreada busca pela liberdade, desencadeada pelo próprio preconceito que condena e marginaliza a prática homossexual associando-o a outras posturas marginalizadas como o uso de drogas a prostituição e outros desregramentos sexuais. É inerente ao ser humano a busca pela libertação, que na verdade é a necessidade de evolução, que o homem imaturo, ainda preso em seus instintos e sentimentos mais egoístas, não consegue perceber e acaba traduzindo nessa louca e indisciplinada corrida. Buscando ser "autêntico" e libertar-se de todos os preconceitos o homem vive, nos últimos tempos, a revolução sexual, abrindo espaço para a promiscuidade nos excessivos mitos do prazer e acaba tornando-se escravo das paixões, afastando-se do único aprendizado capaz de libertar, o amor veradeiro.

    O processo obsessivo também pode estimular a prática homossexual. Podem ser citados casos em que antigos parceiros de passado delituoso em vivências tanto homossexuais como heterossexuais, reencontram-se em codição de cobrança, movidos por sentimentos de ódio ou paixões doentias, influênciando suas vítimas encarnadas à postura homossexual com o objetivo de atender aos seus anseios viciosos, ou vingar-se, impondo situações constrangedoras e de intenso sofrimento. Esses casos de obssessão, não tem sua origem necesariamente em outras existências, muitas vezes os " parceiros " dessas vivências patológicas são atraídos pelas posições mentais sexualmente pervertidas de encarnados, ou por locais nos quais essas práticas são socialmente aceitas e estimuladas.

    Certos distúrbios de ordem psiquiátrica também podem levar à prática homossexual. Criaturas presas a processos de deficiência mental ou de desestruturaçâo psicótica podem cair nos desregramentos sexuais, pois não tem o discernimento moral necessário e o instinto domina sobre a razão, permitindo condutas sexuais das mais diversas, inclusive a homossexual. Vivências traumáticas na infância ou em vidas pregressas relacionadas a abuso sexual, podem gerar traumas psíquicos que conduzem a um comportamento sexual invertido, tanto como uma forma de seguir o modelo imposto, como de ódio e rejeição à vivência passada.

    A Doutrina dos espíritos não condena a prática homossexual, ao contrário, nos faz compreender e ensina a nos libertarmos de preconceitos e falsas exigências moralistas, entretanto não é permissiva, nem conivente com essa postura, assim como também não o é com outros desvios da sexualidade. O sexo faz parte da Lei Natural, portanto é divino, e tem a finalidade ao mesmo tempo equilibradora, produtora e reprodutora do organismo humano. E não se pode considerar normal um comportamento que se aceito indistintamente por todos os seres, acabaria por levar à destruição da espécie, em face da impossibilidade da reprodução humana, portanto o comportamento homossexual vai contra a Lei Divina. Deus nos deu o livre arbítrio para agirmos conforme a nossa vontade, porém sabemos que sempre que a nossa vontade se afasta da vontade divina sofremos devido à lei de ação e reação. O comportamento homossexual acarreta desequilíbrio no campo energético, ou campo de força genésico, trazendo comprometimentos físicos e psíquicos para as próximas encarnações. Segundo Emmanuel Deus não extermina as paixões nos seres humanos, mas as faz evoluir, convertendo-as pela dor em sagrado patrimônio da alma. Compete às próprias criaturas dominar o coração, guiando seus impulsos e orientando as tendências na evolução sublime dos sentimentos. Ao invés da educação sexual pela satisfação dos instintos, é imprescindível que o homem modifique-se na alma para a compreenção sagrada do sexo.

    Emmanuel encerra o livro Vida e Sexo com a seguinte recomendação: " Diante de toda e qualquer desarmonia no mundo afetivo, seja com quem for e como for, colocai-vos, em pensamento, no lugar dos acusados, analisando as vossas tendências mais íntimas e , após verificardes se estais em condição de censurar alguém, escutai, no âmago da consciência, o apelo inolvidável do Cristo: Amai-vos uns aos outros como vos amei. "

    É fundamental que possamos entender o homossexual longe de preconceitos, como um ser fragilizado, complicado por seu passado e pela ilusão do prazer físico, e não como uma criatura sem escrúpulos que contamina a sociedade, muitos daqueles que hoje segregam os homossexuais passaram por problemáticas semelhantes em outras existencias. Precisamos rever conceitos e atitudes, pois o sexo precisa ser dignificado e divinisado onde quer que se manifeste. Como diz André Luiz o sexo deve ser fonte de bençãos renovadoras do corpo e da alma. Assim sendo, devemos aliá-lo ao amor e utilizá-lo como força criativa para o nosso crescimento, desta maneira estaremos em conformidade com o Pai Maior e muito mais próximos da nossa libertação e conquista da felicidade.

BIBLIOGRAFIA:

1) FRANCO, Divaldo Pereira. Amor, Imbatível Amor. Ditado pelo Espírito Joanna de Ângelis. 4ª ed. Salvador:Livraria Espírita Alvorada Editora, 1998.

2) FRANCO, Divaldo Pereira. Jesus e o Evangelho à luz da psicologia profuna. Ditado pelo Espírito Joanna de Ângelis. 1ª ed. Salvador:Livraria Espírita Alvorada Editora, 2000.

3) FRANCO, Divaldo Pereira. O Homem Integral. Ditado pelo Espírito Joanna de Ângelis. 13ª ed. Salvador:Livraria Espírita Alvorada Editora, 1990.

4) KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos. Trad. Guillon Ribeiro. 76ª ed. Rio de Janeiro: FEB, 1995.

5) Artigo: " A Visão Espírita da Homossexualidade ", Dr. Roberto Lúcio Vieira de Souza da Associação Médico Espírita do Brasil - Revista Cristã de Espiritismo, nº 19, fev/mar 2003.

6) Artigo: " Homossexualismo: como compreende-lo? ", Vladimir Aras - Jornal a Voz do Espírito, nº 88, 1997.

 

© Todos os direitos reservados pora Rosane Agustoni
INÍCIO ESPIRITISMO UMBANDA ESOTÉRICOS Trabalhos Apresentados